Lawyer to Lawyer, da Freelaw

#50: De um escritório tradicional para um escritório inovador - c/ Sheila Shimada

May 13, 2020 Freelaw Season 2 Episode 30
Lawyer to Lawyer, da Freelaw
#50: De um escritório tradicional para um escritório inovador - c/ Sheila Shimada
Chapters
Lawyer to Lawyer, da Freelaw
#50: De um escritório tradicional para um escritório inovador - c/ Sheila Shimada
May 13, 2020 Season 2 Episode 30
Freelaw

Como transformar um escritório tradicional em um escritório tecnológico? 

Quais são as mudanças necessárias? 

Como manter a equipe engajada e motivada? 

Como encontrar a tecnologia ideal para o seu escritório? 

No episódio de hoje, Gabriel Magalhães entrevista Sheila Shimada.

  • Advogada especialista em direito societário e M&A. Professora de direito empresarial GetUSP (getusp), ESE - Sebrae (escola superior de empreendedorismo do Sebrae), Sócia na Shimada Advocacia.  
  • Formada pelo Mackenzie, Pós Graduada em Direito Processual Civil na PUC-SP, Extensão na FGV Law em Tributação nas estruturas e nos negócios societários, Prática em M&A pela INSPER, LLM em Direito Empresarial pela IBMEC, Business Executive Course em Loyola University of Chicago. Inglês fluente e Mandarim Básico. 

Escute o episódio e compartilhe com seus colegas! Aproveite! 

Comunidade da Freelaw no Telegram: https://t.me/comunidadefreelaw

Conheça o Blog da Freelaw: https://blog.freelaw.work/

Conheça o site da Freelaw: https://freelaw.work/

Acompanhe a Freelaw nas Redes Sociais

Linkedin: https://www.linkedin.com/company/freelaw-work/

Facebook: https://www.facebook.com/Freelaw.work/

Instagram: https://www.instagram.com/freelaw.work/

Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCT6_26wyQV7GXriS0kogw1g

Música utilizada no Podcast: www.bensound.com

Show Notes Transcript

Como transformar um escritório tradicional em um escritório tecnológico? 

Quais são as mudanças necessárias? 

Como manter a equipe engajada e motivada? 

Como encontrar a tecnologia ideal para o seu escritório? 

No episódio de hoje, Gabriel Magalhães entrevista Sheila Shimada.

  • Advogada especialista em direito societário e M&A. Professora de direito empresarial GetUSP (getusp), ESE - Sebrae (escola superior de empreendedorismo do Sebrae), Sócia na Shimada Advocacia.  
  • Formada pelo Mackenzie, Pós Graduada em Direito Processual Civil na PUC-SP, Extensão na FGV Law em Tributação nas estruturas e nos negócios societários, Prática em M&A pela INSPER, LLM em Direito Empresarial pela IBMEC, Business Executive Course em Loyola University of Chicago. Inglês fluente e Mandarim Básico. 

Escute o episódio e compartilhe com seus colegas! Aproveite! 

Comunidade da Freelaw no Telegram: https://t.me/comunidadefreelaw

Conheça o Blog da Freelaw: https://blog.freelaw.work/

Conheça o site da Freelaw: https://freelaw.work/

Acompanhe a Freelaw nas Redes Sociais

Linkedin: https://www.linkedin.com/company/freelaw-work/

Facebook: https://www.facebook.com/Freelaw.work/

Instagram: https://www.instagram.com/freelaw.work/

Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCT6_26wyQV7GXriS0kogw1g

Música utilizada no Podcast: www.bensound.com

Gabriel:   0:16
as melhores pr��ticas de gest��o, inova����o e tecnologia no Direito. Meu nome Gabriel Magalh��es bem vindo ao longo de esse, pode querer foi oferecido pela Frilot. A forma mais segura para aqui no seu escrit��rio de advocacia contrata advogados online e sob demanda. Eu sei que talvez voc�� nunca pensou nessa possibilidade, mas agora voc�� pode realizar parcerias com advogados especializados em qualquer ��rea do direito, de acordo com a sua necessidade. �� s�� entrar no site da habilidade do ponto frio ponto ou enviar a descri����o do servi��o que precisa ser deputado, as orienta����es, o prazo. E a�� s�� aguarda mais acontecer e voc�� visualizar as propostas dos profissionais. Fa��a parte agora da nossa comunidade realmente o portif��lio de servi��os jur��dicos que seu escrit��rio oferece aos seus clientes. Para a advogada, ao advogado seja bem vinda, seja bem vindo ao epis��dio de n��mero cinquenta do Loyalty! Loya est��o muito feliz, cheio na atividade comemorativa. Estou muito feliz de receber a Sheila estimada para participar conosco. Hoje o tema �� de um escrit��rio tradicional para um escrit��rio tecnol��gico. Como voc�� pode transformar um escrit��rio tradicional, escrit��rio tecnol��gico? Quais que s��o as mudan��as necess��rias? Como que voc�� pode manter a sua equipe engajada e motivada. Como que voc�� encontra tecnologia ideal para o seu escrit��rio de advocacia? Quais ferramentas que voc�� deve utilizar? Tem um prazer de falar com a Sheila porque acompanhou o trabalho dela pelo Instagran e ficamos nos conhecendo virtualmente. Por meio de conex��o da pr��pria frio. Achei bem legal que ela produz muito conte��do. Ela utiliza tecnologias. Ela utiliza, ligou Desai. Ela veio dos que est��o. A tradicional j�� encontrou um pouquinho da carreira dela, que �� a gente come��ar, veio de outros escrit��rios, criou o pr��prio, utilizou tecnologia e o curr��culo dela tamb��m �� de invej��vel. Ela �� advogada, especialista em direito societ��rio e pela professora de Direito Empresarial do Gueto SP, l�� da USP. Ela tamb��m �� professora na Escola Superior de Empreendedorismo do Sebrae e ela �� s��cia na chamada advocacia. A Sheila �� formada pelo Martins. Ela, p��s graduado em Direito Processual Civil na PUC S��o Paulo, tamb��m tem extin����o, revelou em tributa����o nas estruturas e n��o nos neg��cios societ��rios, ela tamb��m tem pr��tica em NY, pela Ela �� de direita, empresa empresarial pelo Ibmec. Tamb��m tem um bilhete. Ficou em Loyola, University of Chicago. A Sheila fala ingl��s fluente, inclusive antes da nossa conversa que ela j�� estava falando ingleses, na casa dela, tamb��m tem uma darem b��sico seja bem vinda, cheia como que fala bem vindo e mandarem abrigar

Sheila:   3:36
bem vinda? Vai para no meio da rua. Obrigada obrigada a instalar banda foi o verbo no final da frase.

Gabriel:   3:51
Come��ou contra um pouquinho para a gente dessa trajet��ria. Como que quais traumas que voc�� tem vindo? Escrit��rios tradicionais, que voc�� estava falando para mim come��ar A��? Como que foi a decis��o de criar o seu escrit��rio? Como que voc�� transformou seu escrit��rio de um escrit��rio tradicional para o escrit��rio mais tecnol��gico?

Sheila:   4:14
Olha os meus traumas nos escrit��rios tradicionais eles n��o estavam t��o relacionados �� quest��o da digitaliza����o, Mas ele estava mais relacionados da quest��o da hierarquia, porque n��o entendia muito bem, porque estava n��o podia ser ouvido porque ele n��o tinha boas ideias porque era novo. N��o entendia muito bem porque voc�� n��o tinha acesso ao seu l��der ou por que era t��o dif��cil voc�� chegar a um advogado e aquele acesso mais perto do seu l��der n��o entende muito bem a arrog��ncia que a maioria dos advogados tinha. Eu amava a ci��ncia do Direito, mas eu n��o amava a postura do advogado. Ent��o a minha minha, a minha dificuldade, Eu estava muito mais na institucionaliza����o do profissional do direito, como ele se comportava na grande maioria, principalmente no mundo corporativo do que na ci��ncia? Agora, com rela����o �� digitaliza����o do escrit��rio, eu empreender. Quando j�� tinha Am��rica no escrit��rio passei por uma cena muito especifica que eu tinha uma cliente que ela trocava muitos e meios comigo, E ela, ap��s dois anos de ter ingressado com uma a����o comigo, alegou que tinha me entregado documentos. Eu falei para ela n��o, voc�� nunca me entregou esses documentos ou n��o. Eu entreguei, Nunca entregou ela que ela n��o entreguei, deixando a portaria de seu pr��dio. Ficou aquele bate boca? Eu falei sem ter. O que voc�� n��o me entregou assim, n��o entreguem. Inclusive eu te mandei um primeiro. E a��, frank? Miss��o, vou falando eu te mandei um e mail, onde eu disse que eu estava entregando os documentos na portaria do seu o pr��dio. Parece que voc�� trabalha que visam imprimir todos os e mails e meio de dois anos. Levei na delegacia e abriu boletim de ocorr��ncia de preserva����o de direitos. Ao chegar na delegacia com o equivalente a cinco pacotes de quatro, todos impressos. O delegado n��o quis abrir um Boletim de Ocorr��ncia porque falou que aquilo n��o era caso. A abertura de boletim de ocorr��ncia, de ser investida, que chamar a Comiss��o da OAB para a palavra da alegada n��o estava atendendo. Uma advogada apareceu de inteiro na delegacia Saco e a�� eu tenho que tinham que saber. Eu nunca mais recebeu o documento de cliente nunca mais e a�� parece n��o, n��o posso, ent��o radical. Ent��o eu s�� vou receber documento digital. E desde dois mil e tr��s quando logo que eu decidi n��o �� saber mais documento de clientes f��sico para assim, se voc�� quiser mandar o documento, �� uma norma no escrit��rio, s�� via digital. A partir da�� come��ou a digitaliza����o de escrit��rio, a partir da central.

Gabriel:   7:07
Muito legal. �� um problema pequeno, ��s vezes que mais se transforma um problema grande, A gente n��o consegue administrar e acho que, a partir disso voc�� j�� havia define. Voc�� j�� define algum tipo de cliente que se que atendendo porque se o seu cliente e n��o est�� de acordo com esse tipo de postura que seu escrit��rio quer, voc�� n��o? Aqueles clientes, naturalmente fazem evocar um outro tipo de cliente.

Sheila:   7:37
Geralmente o cliente que n��o consegue trabalhar com um documento digital, ele vai chegar a outros tipos de problema. Ent��o, assim, at�� mesmo para calcular a hora, voc�� voc�� pega um estagi��rio que voc�� vai ter que contratar para levar um documento no correio, o tempo que voc�� vai gastar para contratar o motoboy. Verifica����o tamb��m entregues isso tudo. O custo para o escrit��rio, ent��o tem que ver se e do perfil que vai administrar esse tipo de gasto. Esse tipo de de horas no nosso escrit��rio, a gente n��o tem esse perfil

Gabriel:   8:11
atingida. Quais s��o as mudan��as necess��rias para que o escrit��rio de faia apenas escrit��rio de tradicional, mesmo para ele realmente entrar nesse mundo mais tecnol��gico? Come��ar a implementar pr��ticas inovadoras? Ele dentro

Sheila:   8:28
Olha, Gabriel, eu te falo que ningu��m muda, se n��o muda primeiro as suas convic����es internas. Ent��o a primeira coisa, como se deve mudar no escrit��rio para que ele seja digital? �� uma vinte sete, porque n��o adianta nada. Voc�� comprar melhor tecnologia, ningu��m sabe. Mexer. N��o adianta nada voc�� contratar melhor assessoria para implantar o software de ��ltima gera����o. Se voc�� est�� com uma equipe que n��o est�� disposta a at�� uma mente aberta para entender a tecnologia para buscar. Para ser curioso, por que se imagina, �� vou dar um exemplo muito simplista. Eu estava na casa de meu pai, ouviu o telefone dele, estava muito ruim e a�� eu peguei. Comprei um iPhone de ��ltima gera����o para o meu pai duas semanas depois e n��o vai falar assim. Estamos devolvendo a Iphone, porque eu prefiro meu antigo, ent��o assim porque eu n��o sei mexer no iPhone e a gente est�� configurado, tudo assim s��o um exemplo simples que aconteceu com meu pai, mas isso vai acontecer em todo lugar. Que as pessoas n��o tiverem abertas para receber a tecnologia. Ent��o o primeiro requisito que eu vejo em qualquer escrit��rio �� voc�� t�� com a lideran��a, que �� o que a gente estava conversando um pouco mais anteriormente a lideran��a tem que estar aberta, a lideran��a tem que ter a mente aberta para introduzir tecnologia para conseguir. Seria se mais de sete no time de receber o mundo digital. Porque porque o mundo digital eles raramente vol��til? Ele muda a toda hora. Voc�� tem que entender que vai ter que reservar um tempo para analisar as novas oportunidades para escutar desenvolvedor para tem eventos, porque n��o adianta voc�� colocar um software que �� maravilhoso hoje, dois mil e vinte e achar que se sofrer maravilhoso de dois mil e vinte vai ser maravilhoso em dois mil vinte e um s�� se voc�� tiver sorte dessa empresa, se sempre maravilhosa. Mas mesmo se ela for, voc�� vai ter que estar sempre comparando os concorrentes dela. Voc�� vai ter que estar sempre comparando se as necessidades do seu escrit��rio. N��o vou mudar. Ent��o se voc�� n��o tiver a mente aberta, praticamente abertas tamb��m escutar tem que saber. Ent��o s��o concorrentes. Tem que saber se estava o concorrente do salto para que est�� contratando. Tem que saber escutar os seus funcion��rios para n��o ficar. Ainda est�� muito tempo que a gente faz escrit��rio, eu sou a s��cia, ent��o a minha mente tem tamb��m bandeira

Gabriel:   11:08
sobre dar um pouquinho mais de contexto quanto um pouquinho

Sheila:   11:10
a gente

Gabriel:   11:12
��rea de atua����o e tudo, assim como o perfil dos clientes, voc��s,

Sheila:   11:16
n��s somos escrit��rio butique. A gente tinha antes de ser digital. A gente estava com nove advogados. Depois que eu coloquei, alguns deles, a gente passou para tr��s advogados, com quarenta por cento a mais de clientes. E a��, conforme escala, eu comecei a escalar, inserindo tecnologia e desenhando o processo inteiro. Ent��o vou te dar um exemplo n��s fazemos o planejamento societ��rio das empresas e para fazer um planejamento societ��rio, a gente tem sete passos. Um desses espa��os �� a dor. Diligencias ent��o, para fazendo dilig��ncia da empresa, Ent��o s�� s��o para fazer uma verba. Viu aqui o cliente chega, a gente faz entrevista com ele, Depois a gente v�� as partes relacionadas. Depois de ver as partes relacionadas. A gente tem que fazer do dirigente dele e das partes relacionadas para s�� depois a gente apresentar um diagn��stico de riscos. Depois dos diagn��sticos de riscos, a gente apresenta os projetos. Depois de apresentar os projetos, a gente vai executar os projetos que est��o a partir de analisar diagn��sticos, registos. Elaborar projetos tem que ser feita por advogados. N��o tem como escapar, mas os ind��genas, que �� verificar quantos processos todas as empresas, t��m a n��vel Brasil. Quando se trata dos administrativos, todas as empresas t��m n��vel brasil investigativo de gra��a. Te d��o um processo trabalhoso, seu colocado, pessoas para fazer. Ele vai demorar e possa errado. Ent��o �� quando eu vou fazer o processo de desenho da elabora����o de cada servi��o, que �� o pre��o. Eu, como eu passo, �� identificar onde �� indispens��vel. Terceiro ano, onde �� indispens��vel teu aonde eu posso inserir um rob��? Ent��o eu posso inserir rob��, eu busco solta, eu saio loucamente, atraiu, solta. E aonde eu tenho, que insere ser humano o ser humano, e a�� ��s vezes encontra o sol ter necess��rio para aquilo. Mas a gente tem um lema do escrit��rio Sempre tenho medo de pronto para desenvolver algo para voc��. Eles, os grupos de lata pela que a gente fiquei? Esses dias eu fui no Hackathon. Eu passo �� dormir quase na universidade, como antes, de vinte e poucos anos, vivendo, que querem me que era votar o mundo totalmente diferente, que n��o �� saber falar de gente que est�� fazendo aqui. Vai ser um tipo de mais de sete que voc�� tem caixa s�� de tr��s novos softwares, novo, novas tecnologias. E quando eu achei si s�� obter para do dirigente, eu paguei nele o valor de um advogado ser, mas ele me possibilitou expandir no escrit��rio, de forma que assim hoje eu consigo concorrer com grandes escrit��rios, porque sabemos s�� que tem que me permitisse, Eu, rob��, dizer em uma ��rea do meu escrit��rio essencial? Ent��o, assim basicamente eu acho que �� isso que eu n��o sei se responde. Essa pergunta tem mais digitalizar uma parte essencial.

Gabriel:   14:22
Eu acho que o v��rus em dois, duas quest��es, primeiro tinha um pressuposto, isso voc�� trouxe no in��cio. A gente precisa de que a lideran��a, ela apoia esse tipo de iniciativa. Realmente isso seja a grande prioridade da lideran��a, que se n��o for o projeto vai morrer muito dif��cil. Ent��o voc�� est�� escutando a gente n��o �� tomada de decis��o, escrit��rio, trabalho, escrit��rio, grande, porte. A verdade �� que se as lideran��as do seu escritor n��o apoiarem mesmo, �� muito dif��cil voc�� conseguir mudar sozinho. Pelo menos eu acredito muito nisso. Acho que tem que vinte vir do topo. E como exemplo a gente levar isso para baixo nesse sentido, mas ao mesmo tempo sim. Hierarquia porque se voc�� tem uma hierarquia demais para causar trauma, gosta e j�� trouxe aqui para a Argentina

Sheila:   15:07
olha super conhecida por meu sinceric��dio! Eles s��o assim s��o senta no escrit��rio que ainda n��o ser digitalizada. Cara a sua lideran��a n��o se conscientiza disso. N��o �� a sua posi����o de que ele n��o �� um escrit��rio que consegue sobreviver porque, h�� cinco anos, ele no escrit��rio que conseguiu sobreviver daqui a dois anos,

Gabriel:   15:36
e quando a gente

Sheila:   15:37
para a realidade,

Gabriel:   15:39
n��o. Com certeza eu acho. Quando a gente compara o escrit��rio que ainda est�� atr��s do tempo. Nem com o escrit��rio, que est�� buscando nova, em que vem, de uma forma n��tida. Diferen��a diferencial, competitivo. Porque se eu conseguir entregar o mesmo produto, ��s vezes at�� melhor, mesmo servi��o, no caso, n��? Com mais qualidade, com mais agilidade e o meu custo, menor do que o meu concorrente, eu vou cobrar at�� menos o meu cliente final, o entregar um servi��o melhor para ele. E a�� n��o tem como. N��o tem como outro advogado do escrit��rio concorrer comigo. Ent��o �� muito importante a gente come��ar a pensar como que a tecnologia pode aumentar o nosso diferencial competitivo, o direito e a advocacia. Especificamente, na verdade, ela �� de algo n��o escal��vel, voc�� vende suas horas, no fundo, voc�� vem de servi��o. E para voc�� entregar um servi��o, voc�� chega um momento que voc�� j�� tenha o m��ximo de servi��o poss��vel. E a ��nica forma convencional de entregar mais servi��o, aumentando o tamanho da sua equipe. S�� que se voc�� utiliza automa����o �� um ponto, voc�� busca uma outra ferramenta para te dar mais agilidade com a mesma equipe. Voc�� consegue entregar mais mais que isso? Que que a import��ncia da tecnologia se concorre?

Sheila:   16:54
Eu concordo e assim eu acho que est��o para complementar. Eu queria quebrar alguns paradigmas que eu mesma n��o achei que seria poss��vel quebrar. Mas eu vivi isso, eu vivo isso, ent��o queria s�� assim. Se voc�� �� um colega que est�� escutando e tem um escrit��rio pequeno, como eu queria discutir, dizer que isso acontece comigo? Eu trabalho na ��rea de mim, Nem eu sou escrit��rio, pequeno e novo. Eu sou mulher e nova. Ent��o, assim s��o muitas coisas que teoricamente seriam negativas para a ��rea. E a�� eu desenho todos os meus processos. Eu assisto, pode queixas da fila, fico chocada, com qualidade, porque eu paguei v��rios cursos nessa. Enfim, fiz um monte de cursos. Eu vejo que a crise n��o sabe pegar na veia, a dor que a gente sente. E a�� eu comecei a fazer as mudan��as no meu escrit��rio e que eu vejo assim. Para digo n��o o cliente, ele quer resultado ponto e a�� o meu escrit��rio tem cinquenta metros quadrados. Ele �� uma gracinha. N��o deixa a parte de de cora����o. Mas ele tem cinquenta metros quadrados, ele tem poucos advogados. S�� que ele �� eficiente ele, assim esse sobre ter. Por exemplo, eu jogo l�� o nome da pessoa, ele l��. Na hora me fala de quem ela �� s�� ser de contas de empresas, ela tem qualquer faturamento. Todas as informa����es p��blicas, ele traz na hora esse s�� ele T�� a�� para qualquer um. Pagasse, tiver dinheiro para pagar a cara pra caramba, Mas ele �� um dos grandes escrit��rios, mas voc�� quiser pagar bem, caro, ele t��, a�� ele d�� a essas informa����es. Na hora ele faz a do dirigente na hora. Ent��o enquanto que voc�� vai cobrar antes as pessoas cobravam, que �� de cinco mil reais, dez mil reais por uma. Eu posso cobrar hoje? Encerra. Se quiser n��veis de entregar em quinze dias a entregar na hora olha, esse diferencial que eu tenho solta, essa qualidade vai entregar uma qualidade dos grandes escrit��rios. Ent��o, quando fala do meu cliente, ele v�� que a verdade acho que ele vai querer contratar quem e a�� eu falasse me dar uma chance, porque a v��s provar, tem uma qualidade muito boa e ele fala assim. Mas como assim voc�� me d��o? A chance de dar mais seus av��s provoca uma qualidade muito boa. Ele que est�� acostumada com o escrit��rio que quer cobrar dez vezes mais do que estou cobrando, ele veio no trabalho da mesma, da mesma qualidade. Assim nunca vai ser um trabalho intelectual, mas ele que �� poss��vel, trabalhar encantado, n��o vai ser sempre assim.

Gabriel:   19:43
Uma quest��o assim que sobre isso que estou falando assim no direito, a gente tem sempre uma conversa que todos advogados repetem. Ela �� importante, que �� sobre a valoriza����o do advogado, e a gente, de fato, tem que lutar para valorizar o advogado. S�� que esse discurso de valoriza����o do advogado. Muitas vezes ele �� utilizado de uma forma errada, para fazer com que advogados cobrem pre��os exorbitantes por servi��os que poderiam ser feito de uma forma muito mais simples. Se um servi��o j�� existe, uma tecnologia que ela, como de TISA, um servi��o que anteriormente era complexo, naturalmente, o pre��o do servi��o foi vai cair e vamos. Vamos usar o valor novo agora desse servi��o vamos cobrar um valor justo dos clientes. Vamos criar uma rela����o de confian��a com esses clientes e vendido servi��os caros, mesmo quando informa estrat��gico. Porque ��s vezes eu vendi um como elitizado aqui, que anteriormente era mais cara. Agora estou vender mais barato E para os pr��ximos servi��o, depois que ele j�� estou no meu cliente, ele confia mais em mim. A�� agora ele virou um cliente fiel e eu vou vender v��rias v��rios outros servi��os, vai indicar para os clientes. Ent��o, acho que ��s vezes falta esse tipo de an��lise de vinte t��m muito medo de utilizar a tecnologia a nosso favor. A minha vis��o de ci��ncia concorda.

Sheila:   21:05
Eu concordo, eu concordo, principalmente que assim voc�� vai poder cobrar pelo servi��o de advogado. E a�� voc�� vai deixar o rob�� a fazer o servi��o de rob��, o advogado, fazer o servi��o do advogado. Essa quest��o voc�� n��o precisa comprar barato pela hora de advogado, desde que voc�� saiba desenhar o seu processo e cobrar pela sua hora. Efetivamente n��o pela Globo, Pode fazer,

Gabriel:   21:29
n��o muito legal. E assim como que voc�� mantenha sua equipe engajada em motivadas? Quais rituais voc��s utilizam ferramentas?

Sheila:   21:41
Olha para manter n��o foi f��cil. Eu Cometi muitos erros no come��o, mas muitos pensa assim. Que tipo tem sido? Uma pessoa que errou muito na gest��o de pessoas, essa pessoa cheia? E a�� eu tive ��ltimo funcion��rio de se demitiu, pedir para ele um ser de dez daqueles desista da vida, ajuda, porque eu precisa se entender como que funciona essa quest��o de ser chefe, porque a minha estaria muito humilde estados ou a menina do interior estudar em S��o Paulo e queria s�� estudar. E sua advogada Social M��dio. Nunca pensei em ser uma dona de escrit��rio, ent��o tive muita dificuldade de gest��o de pessoas por causa dessas in��meras dificuldades. Estudei muito para aprender a fazer esse mesmo funcion��rio que permitiu Assim, n��o vamos fazer um curso de gest��o de pessoas. E eu tenho muito na internet, n��o queria tipo lan��ar aqui de um curso que me ajudasse mesmo. E a�� eu fiz um curso de gest��o de pessoas na escola, com querem, est�� super na moda agora e me ajudaram muito hoje em dia coisas, pr��ticas que tenham. Eu tenho reuni��o de um ano, ao ano, durante uma hora com todos os funcion��rios, todos ela, todas elas durante uma hora, a partir da semana reuni��o de equipa uma vez por semana e durante o dia rapidinho s��o Shekau de como todas. Com rela����o ao trabalho, isso �� poss��vel. A gente faz uma almo��o, uma confraterniza����o uma vez por m��s. Isso j�� �� suficiente. Agora, nada como exemplo, uma coisa que eu acho muito interessante e a gente tem moral de cada dadas, moral, escalada, muito importante. Ent��o ser, se a gente ��, a gente tem uma listinha, sim, de todos os erros, de que a gente cometeu durante todo todo o processo e como que a gente fez para para consertar esses erros? Ent��o, por exemplo, assim, olha nesse processo a gente cometeu tal erro e esse erro ele teve tal consequ��ncia, como que a gente fez para conseguir parecer, a gente usou tal mecanismo. Ent��o hoje a gente tem um procedimento que �� criado por causa de seu o que aconteceu e a gente respeita esse procedimento, em fun����o desse hist��rico, Ent��o esse moral, escadas funciona bastante. E por ��ltimo, a vulnerabilidade do l��der sempre admito. Todos os erros que eu fa��o, pe��a, desculpa e fala assim Olha a primeira guerra que eu, ent��o se algu��m falar em olha, comete um erro, perdi um documento. N��o posso n��o chegar atrasada. Pode ter uma super liberdade de falar isso para que o clima n��o fique pesado, porque o escrit��rio de advocacia, sem o clima muito pesado em geral, eu acho que ningu��m consegue ficar muito tempo sem sistema perpetuado. Eu acredito que hoje est��o.

Gabriel:   24:48
Eu acho que se de um ano �� dif��cil de fato permitir. Na advocacia est�� lidando com prazos. O risco �� muito grande, s��o quest��es muito sens��veis ��s pessoas. S�� que, de outro lado, sem fim, n��o cria um ambiente seguro para errar. N��o vai. N��o vai existir inova����o, a gente vai ter uma constru��do ��mido, Fica dif��cil a�� uma outra quest��o que j�� fala que repetidas vezes, de que o nosso curso online no nosso blog, �� que grande parte dos erros que acontecem a gente tem de a pessoa lisa ao erro. Ent��o, assim, a culpa daquele advogado que perdeu o prazo, recuperar aquele advogado que foi incompetente e, de fato, pode ter ser que o problema seja ele, mas pela nossa experi��ncia, que a maior parte do dia no escrit��rio, advocacia s��o estruturais. S��o erros que acontecem pela falta de procedimento, falta de defini����o de procedimentos internos a falta de defini����o de tarefas, falta de alinhamento, de cultura. Depois que a gente tem uma uma an��lise, a escritora sobre essa ��tica, fica mais f��cil de manter equipe engajar a fita. Fica mais f��cil manter todo mundo motivado. Um ambiente mais saud��vel �� mais divertido. Talvez acho que advocacia n��o precisa se dar na forma da forma como era antigamente. �� dif��cil. �� muita responsabilidade, s�� que a gente n��o precisa de sofrer tanto que foi preciso reconhecer os doentes, pessoas com o Planalto, como tem em v��rios, escrit��rio, advocacia.

Sheila:   26:21
Eu acho que assim a gente, principalmente, l�� no escrit��rio, a gente trabalha muito com outras empresas. Ent��o, a gente n��o se migra����o na nossa gente, tem v��rias outras transmitiram, e o que a gente mais aprendi �� que o erro �� extremamente importante para a organiza����o. Ent��o, como voc�� pega um erro, o cart��o �� porque ele �� extremamente importante para aquela empresa, ele contam muito sobre a empresa. Ele conta sobre sobre o que est�� acontecendo. Se voc�� puxar aquele erro, ele vai te dar um procedimento interno que precisa ser estudado. Ent��o, quando voc�� estuda esse procedimento interno que gerou o erro, voc�� vai ver muita coisa porque o ex sele����o o efeito de alguma coisa que precisa ser analisada. Ent��o, assim, quando a gente, pelo menos a vis��o que eu tenho, como l��der, �� quando eu acho ele. Eu acho uma oportunidade, porque ele �� extremamente importante. Eu acho um erro reiterado. Eu estou achando uma cultura que precisa ser modificada. Dificilmente uma pessoa consegue mudar uma cultura que eu j�� implantei, digo eu porque eu sou a fundadora da ci��ncia. Tem uma pessoa que est�� mais forte que eu. A�� eu tenho que me realizar e assim as cr��ticas, se eu tenho alguma estou incomodando muito com a cr��tica, �� que o meu �� que est�� muito ferido, isso meu erro est�� atrapalhando a organiza����o. Eu tenho que me virar. E cuidar do meu �� porque o meu ego jamais pode atrapalhar a organiza����o. Que o objetivo final de qualquer escrit��rio prestar servi��o n��o agrada a Sheila ou agradar a fundadora. Ent��o isso est�� muito claro na empresa, porque se n��o a gente vir a ser, existem in��meros exemplos a��, principalmente agora, nesse voltar �� pol��tica nesse contexto mundial, que a gente vive, de l��deres que est��o pensando muito mais no seu pr��prios interesses particulares particulares. Dois anos liderados. E quando estavam a fazer isto �� uma doen��a na organiza����o. Ent��o, acho que a capacita����o do l��der �� muito importante para a empresa funcionar.

Gabriel:   28:19
Eu acho que se encaixa com que voc�� trouxe sobre a fragilidade do poder ser fr��gil e teoria no direito. N��o pode ser fr��gil, n��o tem que ser muito s��rio, Tem todo apoio e que �� comum na classe. Mas, ��s vezes, �� importante que a gente mostre um pouco de fragilidade para equipe. Seja realmente sincero para criar um ambiente mais seguro para erro, para para fomentar a inova����o. Acho que isso �� essencial para qualquer empresa que utiliza inova����o, fila e sobre tecnologias com que indica a pr��tica. Pode dar para os escritores, para que eles consigam encontrar tecnologia ideal para a realidade de um desafio dif��cil. Voc�� sabe o que realmente funcione. Tem tanta coisa Voc�� abriu Abdalla, E dois. Ele tem treze. Muitas empresas que entre empresa, cada dia que passa, aumenta como quem sabe o que �� o que funciona para o escrit��rio. Qual tipo de tecnologia busca? E com o tipo de tecnologia? N��o buscar

Sheila:   29:20
esta? Ent��o? Dicas pr��ticas? Uma treze J�� primeiro abrir dois Ele n��o d�� para voc��, Eu j�� fiz isso. Esta demora muito n��o vale a pena se perde muito tempo, ficar entrando dois ele e ver todas as ases. Destacar as Lotex, a liga, o Tex que tenha o que vale a pena voc�� se associar na na A b dois w que n��o �� careta para voc�� at�� como como aut��nomo mesmo, n��o s�� venceu como escrit��rio entrar nos grupos de whatsapp que tem l�� te interessam. Ele conta precisa de alguma coisa semana uma mensagem do grupo de um ataque que eles se referenciam muito melhor. Tudo que voc�� precisa �� muito mais eficaz do que voc�� ficar procurando uma uma aquilo que voc�� precisa N��o, n��o �� porque estou fazendo. Esse pode queixa, mas a fila extremamente interessante. Por mais que n��o importa tamb��m que voc�� tem. Imagina se voc�� sente, por exemplo, receber uma dor de barriga no escrit��rio. Sem poder contar com o profissional vai se entregar em cinco dias de trabalho Extremamente interessante que ��s vezes voc�� tem uma dor de barriga, o funcion��rio vai embora, ele se demitiu, convida, vamos dizer assim porque eu tive aqui duas que pegar, enfim, outro outra coisa importante. N��o acredito que um salto vai resolver o problema da sua vida. Eu, no escrit��rio tem pelo menos quatro s�� na ��rea jur��dica. A�� na ��rea financeira tem mais dois e eu estou sempre trocando. A terceira dica �� n��o paradinha. Eventos n��o para e sempre conversa. Comiss��o secreta tem muito cliente. Resta a TAP. Eles est��o sempre mandando eventos. Estou sempre rindo porque d�� muita pregui��a de agenda de advogada lotada. �� lotada mesmo, mas vale a pena a�� porque eu conheci gente legal entendeu E assim eu tenho um background aqui na minha m��o de uma das linhas. Descend��ncia �� que tem v��rias, �� judeu, espanhol, japon��s, mas na minha parte do dia, judeu fala muito assim. Voc�� tem que dar cinco minutos, pelo menos de ouvido para todas as pessoas que v��m falar com voc��, ent��o d�� cinco minutos para ver as pessoas. Nem todo mundo vai agregar tudo na vida, mas se voc�� encarar para ouvir, nunca ningu��m est�� sempre ocupados para perder muita oportunidade. Ent��o assim, principalmente nesse mundo desta etapa muita gente vai parar para querer falar alguma coisa com voc��. Mas d�� cinco minutos de ouvido, n��o consta nada sabe e a ��ltima dica Assim procura, sempre est�� respondendo a pesquisa de satisfa����o e sendo muito grave com o pessoal que desenvolve estar cabe. Porque o ego��smo �� uma coisa que passou de uma ordem. Entender. A gente tem que ser sempre grata, contribuindo com todo mundo que ajuda a gente mesmo que a gente nunca vai receber nada em troca, porque se n��o a gente n��o, n��o vai participar da pr��xima era que n��o. Meu ponto de vista ao ego��smo j�� era, n��o vai sobreviver nessa nova economia.

Gabriel:   32:17
Seguindo essa parte do fim de Beck que a parte que mais gosta que deferiu. E eu acho que isso vale para todas as empresas, ��s vezes o que o problema que seu escrit��rio tem, Mas ele n��o �� assim por cento resolvido por uma empresa. Mas se voc�� de forma genu��na, conversar com a empresa, talvez empresa, pode inclusive come��ar a criar customiza����es para voc��. Acho que existe muita com a cria����o entre clientes e estar tapie. Isso acontece que aqui, com a gente na fila, por exemplo, eu acho que isso acontece em qualquer ramo. Acho que come��a a entender o que existe conversa com as pessoas, dando sugest��es porque d�� para qual criar. Muita coisa. Est�� falando de nova a����o, de de v��rias coisas que ainda n��o existem. E �� bom tanto para quem est�� utilizando a tecnologia, quanto para quem est�� desenvolvendo e Sheila Para que encerrar aqui que hoje o tema de hoje foi de um escrit��rio tradicional para o escrit��rio tecnol��gico? Quais s��o as suas dicas Assim? Centrais tanto para quem est�� no escrit��rio tradicional e sabe que vai fazer a vida quanto para quem, hoje, t��o territ��rio pequeno est�� querendo transformar os escrit��rios, Quais dicas pr��ticas expressas para esses colegas a�� que est��o nos escutando.

Sheila:   33:40
Bom, A primeira eu j�� falei, mas a vou repetir, porque ela �� a mais importante, �� mais de sete. N��o �� porque voc�� �� um escrit��rio pequeno, que voc�� n��o pode ganhar dinheiro. ��s vezes escrit��rio pequeno ganha mais de um escrit��rio grande, ent��o a ser margem de lucro, indica. Faturamento n��o quer dizer que ��s vezes ap��s faturar um milh��o e tem um lucro de cinquenta mil reais e ��s vezes ap��s faturar agora, duzentos mil reais e tem um lucro de cento e noventa mil reais. Ent��o vamos quebrar esse mais de sete de escrit��rio pequeno n��o n��o escala. Segunda Dica N��o existe a possibilidade de voc�� escala����o, sen��o se digitalizar, pois nessa cabe��a, ent��o se voc�� est�� rolando quebra isso. Se voc�� tem alguma dificuldade, se digitalizar, procure um psic��logo, um profissional que quebra as m��es de nossa cabe��a porque digitalizar n��o �� comprar um aparelho e aprender a mexer nele. Digitalizar �� aprender que voc�� nunca mais vai deixar de aprender. �� muito mais profundo do que comprar uma parelha, estavam sofrendo seu escrit��rio. Digitalizar significa que voc�� vai ter que escutar para sempre que voc�� vai ter que entender que voc�� n��o sabe nada para sempre e que voc�� est�� aprendendo para sempre �� muito mais profundo do que comprar um solta. Porque mudar o do seu escrit��rio ou do que entendeu. Que o c��digo fonte, o que �� muito mais profunda do que isso, �� um processo de humildade, aprendizado e solidariedade continua. Ent��o essa �� uma dica pr��tica que n��o sei. Setor pratica esta, mas �� a mais sincera que eu consigo dar. E a terceira �� n��o tenta manter o foco, porque, apesar de aprendizado cont��nuo, t��m muita. Esta etapa tem muita Loteca, tem muita liga o TEC e assim entrar na para os grupos, se cadastra, pega os grupos de startup, conversa com pessoas e pede ajuda para as pessoas tirarem que sozinho voc�� vai se perder.

Gabriel:   35:56
Muito obrigado. Sheyla Goste bastante a nossa conversa muito da sua trajet��ria,

Sheila:   36:02
s�� para atrelar

Gabriel:   36:06
quando o seu trabalho de verdade dif��cil demais. Igual voc�� disse a mulher. S�� seu escrit��rio com um ambiente e que voc�� t�� concorrendo com escrit��rios grandes. Mas mesmo com o escrit��rio pequeno, conseguiu bater de frente com escrit��rios grandes inscrita muito nisso acredita que o modelo de quase todos escrit��rios de grande porte ele �� insustent��vel e os escrit��rios, pequenos escrit��rios de m��dio porte come��arem a utilizar a tecnologia bem feita. Eles v��o conseguir entregar servi��os melhor do que os grandes e com servi��os mais em conta bastante isso voc�� �� uma esperan��a para a gente, para todos os outros colegas que est��o nos escutando brigadas federais por ter topado esse desafio,

Sheila:   36:55
Mas �� obrigada a esta outra para n��o deixar nada nebuloso. Ajuda fam��lia

Gabriel:   37:02
diminuiu no hor��rio Est�� a gesta����o de diminui����o de custo, de estrutura, que �� um grande problema que eu vejo em grandes escrit��rios, n��o

Sheila:   37:10
nada ligada a tirar

Gabriel:   37:13
nossa dignidade, porque Eu

Sheila:   37:14
tamb��m gosto de ter vida. Saltaria, diminui o custo de estrutura. Quando voc�� p��e pessoas para fazer

Gabriel:   37:22
coisas de rob��, est�� aumentando o custo de estrutura,

Sheila:   37:26
entendeu como boa. Faz muito mais barato do

Gabriel:   37:28
que pessoas, coisa que a pessoa tem tudo. Mas eu concordo colegas, advogados, colega, advogadas, e agradece novamente pela audi��ncia de cinquenta. Muito feliz de estar aqui com voc��s pelo carinho e segue pela audi��ncia. Ficar pouco chegou sim e outro tamb��m para os pr��ximos. Na pr��xima semana a gente vai convidar um advogado gosta bastante que o Bruno para falar sobre efici��ncia no controle de prazos processuais. Um tema tamb��m �� importante para eles, est��o a falta de controle de prazos. Ela viver�� uma dois cabe��a em nome para advogados, ent��o �� muito importante. Esteve sim dizer isso e acredito que voc�� n��o gosta, mas est��o aqui at�� agora, n��o se inscreveram depois que esta fila e tamb��m compartilhar esse conte��do, muitos colegas, advogados e advogadas. Se voc�� quiser tamb��m acessar esse conte��do informado, Escrito assim, entrar no Blog da frio que voc�� vai encontrar A transcri����o dessa pris��o de forma de arte popular tamb��m se v�� novamente na pr��xima quarta feira. At�� logo