Lawyer to Lawyer, da Freelaw

#39 - Recrutamento e Seleção de Advogados: como encontrar e reter talentos na advocacia - c/ Eduardo Perroni

February 19, 2020 Freelaw Season 2 Episode 19
Lawyer to Lawyer, da Freelaw
#39 - Recrutamento e Seleção de Advogados: como encontrar e reter talentos na advocacia - c/ Eduardo Perroni
Chapters
Lawyer to Lawyer, da Freelaw
#39 - Recrutamento e Seleção de Advogados: como encontrar e reter talentos na advocacia - c/ Eduardo Perroni
Feb 19, 2020 Season 2 Episode 19
Freelaw

Quais são as etapas de um processo seletivo? 🤔

Qual é a diferença de Hunting, Recrutamento e Seleção e Recolocação?Quais são as tendências do mercado quanto ao processo de recrutamento e seleção de advogados?

O que os escritórios de advocacia podem fazer para encontrar e reter talentos? E, o que os advogados podem fazer para serem mais bem sucedidos nos processos seletivos?

No episódio #39 do #lawyertolawyer, Gabriel Magalhães entrevistou um dos maiores Head Hunter Jurídicos do país, o Eduardo Perroni. 🚀

Ele é Diretor da Perroni Consultoria, com 14 anos de experiência profissional. 

Headhunter especialista no ramo Jurídico. Possui sólida vivência no Recrutamento e Seleção,

Avaliação Psicológica, Desenvolvimento de Pessoas e Consultoria Organizacional.

Psicólogo (UFMG), Pós-graduado em Gestão de Pessoas (FGV) e Coach (Academia do

Psicólogo).

Escute o episódio em seu player de áudio favorito! E compartilhe o conteúdo com os colegas advogados e advogadas do seu escritório. 

Show Notes Transcript

Quais são as etapas de um processo seletivo? 🤔

Qual é a diferença de Hunting, Recrutamento e Seleção e Recolocação?Quais são as tendências do mercado quanto ao processo de recrutamento e seleção de advogados?

O que os escritórios de advocacia podem fazer para encontrar e reter talentos? E, o que os advogados podem fazer para serem mais bem sucedidos nos processos seletivos?

No episódio #39 do #lawyertolawyer, Gabriel Magalhães entrevistou um dos maiores Head Hunter Jurídicos do país, o Eduardo Perroni. 🚀

Ele é Diretor da Perroni Consultoria, com 14 anos de experiência profissional. 

Headhunter especialista no ramo Jurídico. Possui sólida vivência no Recrutamento e Seleção,

Avaliação Psicológica, Desenvolvimento de Pessoas e Consultoria Organizacional.

Psicólogo (UFMG), Pós-graduado em Gestão de Pessoas (FGV) e Coach (Academia do

Psicólogo).

Escute o episódio em seu player de áudio favorito! E compartilhe o conteúdo com os colegas advogados e advogadas do seu escritório. 

Gabriel:   0:16
as melhores pr��ticas de gest��o, inova����o e tecnologia no Direito. Meu nome Gabriel Magalh��es bem vindo ao longo de esse, pode querer foi oferecido pela Frilot. A forma mais segura para aqui no seu escrit��rio de advocacia contrata advogados online e sob demanda. Eu sei que talvez voc�� nunca pensou nessa possibilidade, Mas agora voc�� pode realizar parcerias com advogados especializados em qualquer ��rea do direito, de acordo com a sua necessidade. �� s�� entrar no site da vida, dado ponto frio ponto ou enviar a descri����o do servi��o que precisa ser deputado, as orienta����es, o prazo. E a�� s�� aguarda mais acontecer e voc�� visualizar as propostas dos profissionais. Fa��a parte agora da nossa comunidade, realmente o portif��lio de servi��os jur��dicos que seu escrit��rio oferece aos seus clientes. Ol��, advogados ou advogados Sejam bem vindas, Sejam bem vindos! A mais um lote de arte Loira d�� frilot. Gabriel Magalh��es Eu sou apresentador do programa que isso tamb��m �� um dos cofundadores da Frilot. Foi o que n��s vamos te ajudar a aprender mais sobre recrutamento e sele����o de advogados Como que voc�� pode fazer para encontrar e reter talentos? Quais s��o as etapas de um processo seletivo? Qualquer diferen��a diante de recrutamento, sele����o e recoloca����o. Quais s��o as tend��ncias desse mercado e o que voc�� pode fazer para ter um processo de recrutamento mais efetivo. E, al��m disso, voc�� com o advogado que est�� buscando novas oportunidades, que voc�� pode fazer para ser mais bem sucedido e nos processos seletivos. O epis��dio de hoje tive o prazer de entrevistar o Eduardo Perrone Eduardo Ele �� um dos maiores redes mantas jur��dicos do pa��s. Ele �� diretor da Perrone Consultoria. Ele tem catorze anos de experi��ncia profissional, experi��ncia profissional e ele, especialista injustamente, provamos jur��dico. Ele possui uma experi��ncia bem s��lida Recrutamento e sele����o, avalia����o psicol��gica, desenvolvimento de pessoas e consultoria organizacional e psic��logo p��s graduado em Gest��o de Pessoas pela TV. E tamb��m �� contra. Tinha certeza que voc��s v��o gostar bastante r��pida desse epis��dio. A epis��dio bem t��cnico disso e isso certamente ir�� agregar para a vida profissional de voc��s, discutem at�� o final. Vale bastante a pena. At�� logo, Eduardo seja bem vindo ao leite Loya �� um prazer estar recebido aqui Um dos maiores comediantes e jur��dicos do Brasil. Antes da entrevista, j�� queria de confidenciar do ato que, por mais que n��s nos tenhamos tornado amigo vem nos ��ltimos tempos Eu sempre tive voc�� como uma grande refer��ncia, porque v��rios colegas, advogados e foram contratados por causa de voc��, e simples que tem muito bem o seu trabalho. Ent��o meu sonho �� chegar algum dia ser igual voc��. Voc�� �� uma pessoa incr��vel, tem certeza, vai agregar bastante para os demais colegas advogados seja bem vinda,

Eduardo:   3:47
muito bom dia. Agrade��o muitas palavras de cora����o e eu fa��o a Recife que a verdadeira. Voc�� �� uma pessoa muito talentosa, sem querer ser piegas, mas realmente eu te admiro, j�� acompanho desde o in��cio desde o in��cio da sua empresa e uma das suas for��as que tem que s��o mais importantes, Foco, planejamento e serem de dentista. Eu acho muito, disse voc�� que voc�� segue os passos que voc�� deve seguir. Eu acho que se at�� uma coisa que a gente vai come��ar bastante hoje, que �� uma das a����es mais importantes, �� voc�� ter um planejamento, e seguir seu caminhar Nem sempre �� f��cil, mas a ele, com consist��ncia, que faz a gente chegar em camisa em locais melhores que voc�� tem sido muito forte, est�� obrigado pelo convite, �� um ataque,

Gabriel:   4:43
muito obrigado. Eduardo e assim, para chegar em caminhos melhores, a gente precisa de encontrar talentos para o escrit��rio de advocacia. E �� cada vez mais dif��cil. E isso n��o houve muitos escrit��rios com dificuldade. Engajar os advogados, encontrar pessoas qualificadas e da ponta dos advogados tamb��m. Muitos advogados acabando, est��o insatisfeitos nos escrit��rios de advocacia. Qualquer um segredo e para os advogados conseguirem, os escrit��rios conseguiram encontrar talentos e porque os advogados tamb��m se deem bem nesses escrit��rios.

Eduardo:   5:20
Fa��a foi bem no ponto. Assim a pergunta come��ou h�� onze anos, Agora foi muito nesse sentido de identificar uma car��ncia pelo contratante, s��cio do escrit��rio. No in��cio era sempre muito em escrit��rio de advocacia, depois que entrou, tamb��m jur��dico interno, mas sempre essa dificuldade de contrata����o culturalmente, a ��rea jur��dica n��o �� uma ��rea que vem junto com ela. Agora est�� tendo uma for��a maior. Muitos escrit��rios est��o, ent��o tem uma vis��o diferente, mas enquanto empresa mesmo e departamentos jur��dicos tamb��m est��o evoluindo. Mas �� uma ��rea que sempre teve uma car��ncia em termos de Braga e do outro lado, os profissionais, sempre reclamando muito em termos de carreira, insatisfeitos em termos de proje����o, de possibilidades de crescimento, volto a dizer muitas coisas v��o mudando, sendo pessoas positivo nesse sentido. Mas h�� uma c��rie dos dois pontos dos dois lados. O primeiro ponto �� ter coer��ncia com as coisas para quem vai contratar, ��s vezes �� muito dif��cil e a gente assume assim certas para certos posicionamentos, no sentido de que, se voc�� vai contratar, voc�� precisa entender a sua realidade mesmo. Sen��o a gente fica desenhando um perfil que n��o necessariamente um perfil de pessoas que n��o necessariamente tamb��m v��o querer. Est��o buscando aquela press��o. �� dif��cil falar, isso �� delicado, entendeu? Nunca quer diminuir local nenhuma. N��o �� esse o intuito, A gente tem que ter o bom senso assim, Quanto que eu posso realmente investir nesse profissional. Qualquer situa����o do meu escrit��rio, da minha empresa, eu voc�� atrativo. Para que tipo de profissional, principalmente a longo prazo, entendeu? N��o adianta voc�� n��o conseguir contratar uma pessoa. Ou seja, pagamos boca mais ou por algum motivo espec��fico, se aquilo n��o vai ter um projeto especial, mas �� que ele n��o vai se manter. Ent��o �� necess��rio ter uma coer��ncia no sentido. O que eu vou oferecer? O profissional da mesma forma. Do outro lado a gente vai chegar l��. O profissional realmente tenha ci��ncia do que ele pode oferecer para a empresa. Mas passado isso, temos sim, senhora, Uma empresa em que momento que eu estou tipo de profissional realmente vai ficar engajado, que eu posso oferecer. Passada essa fase, v��o realmente alinhar o perfil, um grande problema que acontece. A gente tem uma vaga, recebe uma indica����o. Gostei da pessoa, por��m presidente v��o ver se d�� certo isso muitas vezes n��o d�� certo porque o perfil n��o foi alinhado ��s expectativas. N��o foram avaliadas o engajamento naquela naquela posi����o n��o foi bem definido. ��s vezes a inser����o com os colegas com a equipe n��o foi bem definida. E aquilo l��, Porto, em m��dio prazo, pode n��o dar certo. Ent��o �� alinhar bem o perfil, definir qual que vai ser aquele cargo e buscar os perfis naquele naquele modelo que voc�� desenhou muitas vezes n��o deixar a emo����o o emotivo entrar na frente, voc�� consegue criar crit��rios objetivos bem definidos. ��s vezes voc�� consegue se capaz de certas a mais d��vidas. Tipo de gostar muito algu��m numa entrevista, mas se voc�� tiver percebido que objetivamente que ele percebeu n��o vai dar certo a longo prazo, �� perigoso. ��s vezes a gente gosta muito a pessoa na entrevista, mas n��o investiga o hist��rico corretamente. N��o fez a an��lise dos outros crit��rios. Esta e, a curto m��dio prazo, pode n��o se sustentar a entrevista. S�� um ponto da sele����o �� s�� uma parte e ela �� perigosa, porque tem pessoas que t��m habilidades de bem entrevista. Mas aqui n��o quer dizer que a pessoa d�� certo na fun����o. Tamb��m n��o quer dizer que ela seja boa profissional, mas n��o quer dizer que aquela pessoa �� a certa para aquela posi����o. Agora

Gabriel:   9:54
que voc�� que voc�� est�� trazendo algumas etapas assim do processo eletivo, nem assim para para muitas pessoas, diz o processo seletivo Ele vai se resumir a data da entrevista, divulga����o da vaga. Mas o que provavelmente tem muito mais do que isso, Pelo que estou vendo, que voc�� est�� trazendo o que o escrit��rio advocacia precisa de fazer para que ele consiga criar um processo seletivo realmente eficiente. Quais o passo a passo para conseguir divulgar uma vaga e busca a pessoa certa para ela,

Eduardo:   10:28
perfeito? A primeira, essa defini����o de perfil. Conversar internamente, com quem tem que conversar. Eu indico sempre assim, se uma pessoa vai ser coordenada por um, foram por um gerente de ��rea, por exemplo. �� interessante, obviamente que �� gerente, Participe do processo seletivo. N��o s�� s�� posso falar de escrit��rios. N��s vamos dizer tamb��m um diretor jur��dico. ��s vezes, aquela pessoa vai trabalhar com um coordenador de ��rea e alguns casos quem faz o processo �� o diretor, ou ent��o �� o s��cio do escrit��rio. Exclusivamente unicamente �� trabalhar com diretamente com o outro, com o gestor da ��rea. Ent��o, a linha internamente, ver o perfil que voc�� busca, v��o pensar, estiver tempo v��o pensar num processo ideal. Est�� perfeito um processo que voc�� tenha tempo de sobra, possa sempre o melhor aquela m��xima de demora para contratar. Quando foi demitido, demita com agilidade. Mas se voc�� tem um tempo ideal, voc�� faz esse saneamento, faz a divulga����o do perfil. Se voc�� estiver usando uma consultoria for o caso, pode ser feito mapeamento de mercado. Depois, os que mais na frente vai falar. Diferen��a entre anti recrutamento v��o pensar um caso normal, de um escrit��rio, de uma empresa que n��o vai usar uma consultoria para faz a divulga����o. Recebi os curr��culos, os perfis, tenta ver objetivamente ele, se aquela pessoa, aquelas pessoas, at�� como n��o chama para uma entrevista ver as pessoas que voc�� tem um filho melhor por crit��rios objetivos. N��o s�� o filho, mas que voc�� tem crit��rios, que adequem aquele perfil. Aplique uma prova t��cnica, o mais pr��ximo da realidade poss��vel. Por isso �� um grande gargalo. Muitas vezes vai muito assim. Estou gostando dessa pessoa at�� aqui. T�� legal. Parece que est�� tudo a minha. V��o ver se d�� certo. Volto a dizer e voc�� pode adiantar isso, tem como voc�� simular a realidade o mais pr��ximo poss��vel dela. Se voc��, por exemplo, o d��cimo lugar, uma situa����o real, em que um cliente n��o pensar no escrit��rio, que esse profissional vai ter, que responderem meios, fazer consultorias gerais, esta respondem m��s de cliente e atender as demandas. Se muito um e mail de um cliente, um e mail real, s�� muitos nomes e encaminha para essa pessoa, pe��a para ela. Isso a gente faz vez, enquanto foi uma ideia muito bacana de um cliente, esse formato espec��fico e deu muito certo. A gente simula uma situa����o real. Ele de um e mail para pessoa respondeu o e mail, ela moral, um laudo. Se for um parecer, enfim, os caminhos daquele daquele procedimento est��, respondeu o cliente e com o que for necess��rio. Se for contencioso, fazer a fazer a defesa, Ent��o, tentar botar na realidade mesmo, mostrar pessoas respondendo e meio poss��vel portugu��s dela no dia a dia. Ent��o, tem de simular da melhor maneira poss��vel ou aplicar uma prova t��cnica.

Gabriel:   14:10
Achei bem interessante esse exemplo. Eu confesso que eu mesmo j�� fiz contrata����es erradas, porque fronteiras diz at�� aqui, na frente das mesmas, a gente contrata a pessoa para a ��rea do marketing. Mas esquecemos de nivelar expectativas e tamb��m de saber se a pessoa tinha conhecimento necess��rio. Confiamos muito, lindo, que ela falou no fizemos a prova contar

Eduardo:   14:35
a superar normal, mas como onde estavam? Exemplo at�� em casa de ferreiro, espeto de pau. Eu, a gente, muitas vezes nas sele����es que n��o fazia o procedimento que a gente faz com os clientes direitinho e nas ��ltimas sele����es foi bem interessante, porque eu conversei com a equipe assim, Realmente tem um perfil, mais gols de pessoas. Quando bateu firme, ele ��, d�� vontade de trabalhar com aquela pessoa. Enfim, eu pedi para a equipe n��o me tragam pessoas que n��o estejam dentro do perfil, principalmente a gente boas. Por que Porque voc��, se voc�� vai para a entrevista com uma pessoa que �� agrad��vel, que est�� com com, com vontade, mas que n��o tem nada a ver com o perfil, voc�� acaba podendo contratar essa pessoa porque gostou muito dela, mas a m��dio e longo prazo isso n��o n��o funciona, entendeu? Ent��o tentar definir isso antes �� sempre muito importante. As ��ltimas foram muito bem feitas e que na perrone, justamente porque uma blindagem disso melhora tiver os crit��rios. N��o quero conversar porque eu sei que vou gostar e a�� acaba a gente seguido por um perfil que a gente n��o precisa isso diz tamb��m assim eu posso falar com o tempo que eu fui percebendo, a exemplo de quest��es pessoais mesmo Como que no in��cio da carreira, se n��o contratava os iguais a mim, isso �� um grande erro que a gente faz. Voc�� n��o pode ter uma empresa pessoa s�� iguais a voc��, voc�� vai ter os mesmos defeitos. Voc�� vai ter os mesmos, as mesmas qualidades v��o dizer, em todas as pessoas, voc�� precisa ter perfis complementares. Ent��o, �� importante. ��s vezes a gente consegue fazer um mapeamento de perfil profissional mesmo perfil de caracter��sticas de personalidade de comportamento que a gente v�� o que que �� o perfil que precisa para aquela fun����o, para aquela equipe todo mundo de um jeito qualquer, o perfil que est�� faltando, ��s vezes precisa de um profissional mais anal��tico para aquela equipe. Todo mundo muito executor �� muito din��mica, muito comunicativo. �� preciso algu��m mais sistem��tico, mais anal��tico que fique em escrit��rio. Vamos dizer internamente, isso n��o �� um perfil que, normalmente, quem �� muito comunicador, que �� muito executor, vai se identificar com a pessoa. Ent��o voc�� pode n��o contratar porque voc�� n��o se identificou com ela, mas na verdade, �� o que a empresa precisa. A empresa precisa de complementariedade. Muitas vezes a gente tem que ter essa discuss��o com o cliente, que nem sempre o que ele pede para a gente �� o que ele realmente est�� precisando e quanto mais a gente conhece o cliente, mas parceria a gente tem ao longo dos anos ao tempo. Mas a gente conhece a empresa ou escrit��rio, mas a gente consegue falar isso, olha, realmente, n��o �� o perfil que est�� precisando. A gente precisa de uma pessoa, mais um outro perfil, mas, voltando as etapas, depois de uma prova t��cnica. Voc�� identifica ali as pessoas que t��m mais a ver no processo de al. Voc�� faz uma avalia����o psicol��gica com todos condenados, tem uma ��ltima rodada, est��. Se isso permitir, depois voc�� parte para a parte de etapa de negocia����o, Uma coisa que orienta assim, que eu acho importante trabalhar desde o in��cio com as pretens��es de remunera����o, por mais que n��o seja uma coisa exata com que voc�� realmente pode ofertar, �� muito ruim para o para o contratante e principalmente nesse caso, para o contratado participar de um processo inteiro. L�� no final voc�� recebeu uma proposta que n��o �� o que se estava Est�� muito abaixo, que est�� abaixo do que voc�� tinha colocado l�� atr��s, entendeu, frustra muitas pessoas. �� claro que pode ter uma negocia����o, mas se isso l�� no in��cio foi dito de expectativas, �� melhor. Pelo menos uma ideia ele para n��o ter surpresas agrad��veis l�� na frente, n��o

Gabriel:   18:46
com algumas algumas d��vidas. Aqui s�� fala Eduardo. Porque, assim, essa quest��o dos perfis com que eu sei, qual o perfil, exatamente, o advogado e como eu defino exatamente com o perfil correto para a vaga que eu estou buscando e sobre esse alinhamento eu vejo que tem um alinhamento de sal��rio, n��o precisa de ter logo no in��cio? Talvez. Mas, al��m de serem saneamento de perfil, esse alinhamento de perfil �� algo que eu sinto mais dificuldades em pelo menos a mais do que alguns colegas Advogados tamb��m n��o sabe Por que a advocacia eu tinha que fazer audi��ncia? Eu tinha que falar com o cliente. Eu tinha que fazer muita hist��ria, foi mesmo tipo. Ent��o, se tem que foi um pouco de tudo

Eduardo:   19:32
sim, olha, �� muito por etapas, por momentos de carreira que a pessoa est��. �� preciso identificar assim qual que como que �� o perfil da sua equipe. O que voc�� mais precisa e o que cabe no bolso, �� obviamente. Mas se fosse esta falta no bra��o, voc�� vai para um junho pleno. Est�� normalmente, Vamos dizer o j��nior pleno que esteja ali, bem alinhado com a carreira dele, Ele sabe, principalmente em junho, que �� o momento de pau para toda obra. Mesmo, de mostrar servi��o, de absorver conhecimento. Uma troca voc�� precisa de bra��o, precisa de execu����o, Vai ter algu��m para coordenar essas pessoas, beleza, e j�� est�� arrumado ou n��o. �� preciso realmente �� mais importante. Eu tenho algu��m eu ter algu��m que fa��a um contato com o cliente direto. Est�� faltando isso para mim por um gestor jur��dico, com clientes ou para o escrit��rio. Ent��o, normalmente vou precisar de pelo menos um pleno, um Senna Esta depende muito do perfil de demanda que voc�� tem, N��o um perfil da pessoa que voc�� gostaria de ter. Ah, isso �� o mais dif��cil. Voc�� identificar caso pr��tico, por exemplo, que a gente vivenciou algum tempo no escrit��rio. Tinha um profissional, se muito bom tecnicamente, est�� no n��vel j��nior. Mas ele era um perfil mais acad��mico, um cara mais anal��tico. Ele tinha um perfil mais assim de consulta da era que ele, advogado, que se podia soltar para ele. Uma pesquisa de jurisprud��ncia que fosse o que ele acha, Ele �� trazer o material impec��vel e fazer aquela pe��a em pecado. O escrit��rio �� um escrit��rio mais boutique, sim, mas ele precisava de certa celeridade, porque ele j�� tinha uma equipe com o n��vel de senioridade maior, ent��o ele precisava de bra��o. Estava faltando velocidade ali para para a entrega das demandas e esse profissional foi contratado. Foi indicado por um professor. Gostaram o menino realmente era muito bom tecnicamente, mas foi uma tortura para ele. Foi um homem para escrit��rio. N��o funcionou porque escrit��rio precisava de velocidade e precisava de bra��o. Ali naquele momento. E era um profissional com o perfil, Tem mais anal��tico acad��mico, que n��o tinha esse perfil. Chegou, chegou a pensar assim at�� em largar a profiss��o porque incomodou muito ele. Assim, o que estava sendo a pr��tica da advocacia foi tudo aliado. Foi bem legal, inclusive o desfecho. Mas na hora da sele����o, de buscar uma pessoa que estava mais acostumado com volume, tinha um meio termo entre a parte acad��mica e a pr��tica, mas que era mais voltado para a pr��tica e realmente era o que a equipe precisava. Funcionou bem, tem que ter uma conversa depois que esse advogado at�� para n��o ficar desmotivado na profiss��o. S�� estava no lugar errado no momento errado ali, escrit��rio. At�� tem esse perfil que caberia um profissional mais de pesquisa, s�� que essa equipe, mais de pesquisas, j�� estavam cheias. Ent��o n��o caberia aquele profissional, naquele momento, um bom exemplo pr��tico e para a gente ter

Gabriel:   23:06
o que eu acho interessante, dessa sua fala, nem que eu fico pensando assim ��s vezes o pr��prio escrit��rio n��o t��m clareza de quais tarefas que o advogado vai precisar fazer. Ent��o, ��s vezes eu vou contratar uma pessoa que �� muito acad��mica, que gosta de fazer, gosta de buscar doutrinas etc. E estou querendo algu��m para captar clientes. Talvez essa minha intensa, e a�� fica dif��cil atender �� expectativa do escrit��rio. E a��, por outro lado, tamb��m vive nessas descri����es de vagas para os escrit��rios, pensando informar os seus advogados para serem al��m de advogados para atuar de uma forma estrat��gica e depois que deixam aqui e depois. O advogado nenhum aqui no escrit��rio est�� ajudando na capta����o de clientes de um advogado, traz clientes ou s��cios, traz clientes. Mas ser�� que a expectativa ficou clara tanto no momento da contrata����o contra o momento, depois que esse profissional continuam no escrit��rio? N��o sei se voc�� vivencia isso tamb��m, n��?

Eduardo:   24:10
O tempo e entendo a concluir essa parte, porque �� uma das coisas que mais acontecem, est�� a��. N��o �� de ��s vezes falta de planejamento, de conhecimento, mesmo, de comprar uma sele����o bem feita. Esta e muitas vezes o papel do advogado advogar mesmo. Entendeu, sem querer puxar a sardinha para o meu lado Mas a gente tem o conhecimento para o processo seletivo. Ent��o �� interessante a gente quem for contratar, pensar nesses pontos, estudar mesmo um pouquinho, como que se faz um processo bem feito. Principalmente pessoas que j�� t��o bem inseridas no meio recebem muitas indica����es. ��s vezes se perde nesse sentido at�� por ter uma gama de profissionais e mais pelo frio, essa parte capta����o. E �� isso que voc�� falou assim n��o foi alinhada expectativa na hora de contrat��. Depois de passar o processo eletivo todo durante �� muito importante de colocar o que espera do outro mesmo, na realidade, tirar a fantasia aqui �� o lugar perfeito para trabalhar E o profissional �� perfeito. N��o vamos falar de fato a senhora no dia a dia vou querer que voc�� fa��a isso. Isso isso. Espero de voc�� isso e aquilo e o profissional �� colocar tamb��m Olha, realmente, eu busco isso numa nova carreira, enfim, as coisas precisam ser ditas e de fato est�� para n��o ter surpresas. E isso que voc�� falou de capta����o, uma coisa que acontece muito, �� uma dificuldade de s��cios, de escrit��rios se sentem muito sozinhos na capta����o. Sentem falta do apoio da equipe de tamb��m fazer esse processo. �� uma maneira de voc�� melhorar isso. Voc�� treinar equipe, como que eu treino para capta����o, cara, leva nas nas reuni��es Hoje vai, o cliente leva sua equipe, um advogado j��nior, leva o pleno, entendeu escrit��rios, grandes bancas. Estudou muito assim h�� pouco tempo, o plano de s��cios e s��cios patrimoniais, como se como fazer essa transi����o. A gente viu muito, alguns escritores, principalmente S��o Paulo, tem uma etapa e depois que o advogado ele estava como se fosse um treine a s��cio, ele tem metas de capta����o, mas ele tem um momento de adapta����o para aquilo, isso �� bem interessante voc�� treinar os seus os seus profissionais ao longo do caminho e n��o esperar que venha tudo dele tamb��m.

Gabriel:   26:51
Assim voc��. Esses problemas acontecem h�� muitos anos no mercado, mas, por outro lado, parece que tem alguns escritores que est��o se preocupando mais Com isso igual, voc�� j�� est��o no mercado e h�� onze anos que tinha a dizer para a gente, tinha ��ndices desse mercado que est�� acontecendo a�� para que os advogados est��o fazendo para conseguir reter mais talentos para encontrar talentos de uma forma mais eficiente. Quais s��o suas apostas a�� para essa nossa d��cada nove.

Eduardo:   27:22
O cara realmente tem que estou chamando muito cara. Gabriel Essa amizade me perdoe Realmente precisa ter uma uma adapta����o. A gente est�� vivendo um choque de gera����es grande esta inevit��vel. Realmente tem uma, uma discrep��ncia entre vis��es de mundo mesmo. Mas uma maneira v��o pensar em rela����o �� nova gera����o, realmente dedicar mais a fim de que, ao mesmo para as equipes d�� mais aten����o. Os jovens precisam muita aten����o, querem muito retorno para isso dentro do poss��vel. E o jovem tamb��m entender que tem que fazer um caminho que as coisas n��o. N��o pode sentar na janela desde o in��cio, e sempre j�� chegar querendo fazer toda a diferen��a de precisa trilhar um caminho. Mas a melhor maneira de se fazer isso. E comunica����o e treinamento. O que mais acontece assim, onde mais precisava da comunica����o? Quem peca justamente que deixa isso de lado. N��o precisa ter reuni��es semanais com todo mundo. Se poss��vel, pelo menos penais, se precisa disputar da equipe. E agora, mais ainda, porque se tem essa necessidade, dos mais jovens, com maior for��a. Ent��o, vou dizer assim o caminho, comunica����o, alinhamento, expectativas. Muitas vezes as pessoas querem continuar no lugar, mas n��o se desmotivando, simplesmente porque vem fatos e n��o entendem o que �� aquilo. Quer dizer depois aconteceu aquilo, ningu��m falou nada e ficou por isso mesmo. E aquilo me frustrou. A�� tendo alguns acontecimentos que isso vai gerando, muitas vezes uma boa comunica����o iria sanar aquilo, entendeu? Eu vou pegar nesse ponto S��o v��rios pontos, obviamente. Mas a comunica����o �� o que resolve de forma central. Assim,

Gabriel:   29:24
a gente fala muito sobre tecnologia, sobre inova����es nas ��reas, mas acaba que grande parte das inova����es ainda voltam l�� para o b��sico, que �� algo ali, Um amigo que ainda n��o �� feito da forma adequada. Ent��o, ��s vezes, talvez a melhor dica para contratar melhor para encontrar as melhores pessoas e para reter essas pessoas com voc��. E pode ser voc�� simplesmente a linha, bem o que quer e, quando essa pessoa entrar, comunicar de forma constante nivelar o que? Aquela que ela espera de voc��? O que voc�� espera dele? Provalmente O escrit��rio vai ter mais ��xito em um momento de muitos, choque de gera����es. Geralmente os s��cios s��o mais velhos do que a nova gera����o que est�� no mercado de trabalho E para o problema dos dois lados. O

Eduardo:   30:15
departamento jur��dico tamb��m. Voc�� envolve outras ��reas, isso acontece muito, n��o �� f��cil. O mundo realmente precisa ser dez em hoje, mas �� essencial que a gente consiga esse tempo para conversar com a equipe, em escrit��rios, em departamentos jur��dicos. ��s vezes voc�� tem dentro da empresa a pagar mais forte, mas n��o necessariamente vai ter comunica����o correta e muitas vezes, assim a equipe ela fica no gestor, o s��cio diretor, pessoas de refer��ncia mesmo, que �� esse contato. Tem como gestor ficar o tempo todo com a equipe, N��o �� isso que eu quero dizer, que estou dizendo que �� um mundo cor de rosa, mas tem que ter um m��nimo necess��rio dessa comunica����o.

Gabriel:   31:03
E assim eu n��o sei se entraria dentro disso. Queria tamb��m que voc��, se tiver mais alguma dica tanto para o contratante quanto para quem est�� sendo contratado, seria legal voc�� trazer,

Eduardo:   31:17
olha n��o falar para o contratado agora para o profissional, ele o que mais acontece de erro, a falta de planejamento. Uma coisa que eu converso muito com as pessoas, com os profissionais de planejar a carreira prim��rias, que seja at�� os pr��ximos tr��s, cinco anos. De prefer��ncia os pr��ximos cinco anos. Pelo menos porque ��. Porque quando surgiu uma oportunidade, voc�� vai saber se aquilo est�� minimamente dentro da sua trilha de que voc�� quer seguir na carreira. E se voc�� n��o tem isso minimamente definido, ��s vezes aparece a oportunidade de se falar legal, pagar mais. Parece interessante a ��rea bacana, vou praia e �� o que mais prejudica o profissional. Essa falta de continuidade voc�� est�� sempre recome��ando e com o sentimento assim est�� sempre passando um cavalo alado de meu lado Tem que ficar de olho o tempo todo. O mercado cada n��o �� bem assim, principalmente no in��cio da carreira. Aumento de voc�� mostrar solidez, tem mostrar para o mercado que voc�� confi��vel, que quem foi de contratar pode. Depois de investir voc�� porque voc�� vai vai permanecer minimamente. No lugar voc�� vai corresponder. Antes voc�� sai, ele s�� vai ter di��logos, entendeu? N��o vai sair na primeira oportunidade, O que eu posso? Para que o contratante pode passar quest��es de maior relev��ncia? Muitas vezes os profissionais que n��o costumam parar muito tempo, eles t��m a sensa����o de que foi evoluindo, mas muitas vezes n��o. Porque �� o primeiro passo. �� voc�� tem a confian��a do dono da empresa, do seu diretor, do seu gerente jur��dico, do s��cio, do escrit��rio, do seu coordenador. Isso em tang��vel n��o �� algo t��o objetivo. Eu j�� aprendi tudo que eu tinha que n��o. Eu acho que eu aprendi tudo que tinha para aprender aqui. Agora, que eu estou gerando essa confian��a para o gestor, que ele vai come��ar a mim passar coisas de maior relev��ncia em outro n��vel de rela����o, entre entre entre o coordenador e o, E o profissional tem coisas que n��o s��o tang��veis ali n��o �� s�� tarefa em si, mas em rela����o a profundidade que voc�� vai tendo nas rela����es, na responsabilidade naquele local. E isso acontece depois de um tempo. O primeiro passo como profissional �� mostrar que ele �� s��lido. Tem que ficar pelo menos pelo menos tr��s dois, tr��s, quatro anos no lugar de refer��ncia, que voc�� aprenda de fato que isso vai ser o diferencial, l�� na frente n��o �� ficar seis meses em cada lugar. Isso n��o te leva a uma profundidade a mudan��as qualitativas na frente. ��s vezes, v��rios estudos j�� fizemos aqui de pessoas acompanhando pessoas que foram pulando e pessoas que se mantiveram no mesmo lugar. a pessoa que foi pulando ela vai tendo aumentos, v��o falar financeiro. Est��, vai ter aumentos. No in��cio, ela tem a sensa����o que est�� ganhando, mais outro, que permaneceu em um bom lugar e ficou ali. Vem fazendo o trabalho deles no bra��o direito do gestor dele. De in��cio, a remunera����o vai mais lenta, vai crescendo aos pouquinhos e o outro parece que est�� aumentando. Mas chega um momento ele principalmente do pleno, para o Centro. Aquele primeiro que ficou pulando, ele come��a a decair a remunera����o ou, no m��ximo, ficar na mesma, sendo que o mais est��vel ele come��a a ter saltos, seja para outra oportunidade. Ou seja, para o mesmo lugar que ele est�� para cargos de maior responsabilidade, de gest��o, de coordena����o, enfim. Mas ele s�� teve esse salto maior porque ele mostrou que ele �� de confian��a que ele tem bagagem, que tem solidez. Esta essa dica que eu daria para o profissional, principalmente mais jovem. A�� os mais cenas seriam outras quest��es

Gabriel:   35:36
que houve assim que v��rios desses advogados que saem dos empregos. Eles relatam que ��s vezes o escrit��rio n��o tem prop��sito, o escrit��rio n��o consegue engaj�� lo. Escrit��rio tem muitos problemas estruturais, tanto para contratante quanto para os contratados. Nesse caso, um advogado. Ele que, assim que eu quero criar uma carreira s��lida, mas no meu escrit��rio tem problemas muito graves, eu n��o tinha voz, e quem se advogado pode fazer o que o escrit��rio pode fazer para evitar esse tipo de problema.

Eduardo:   36:10
Olha, vou voltar naquele ponto, a coer��ncia. Mas se voc�� tem planejado sua carreira e voc�� v�� que est�� num bom lugar, voc�� passa a n��o confundir frustra����es do dia a dia com falta de prop��sito, que acontece muito hoje. Essa confus��o eu confundo, uma insatisfa����o que eu tive com o meu meu gestor, que estava num mau dia, O que me deu uma resposta de n��o t��o bom com qualquer lugar, n��o tem os valores, n��o tem os meus valores. N��o �� bem por a�� a ter os valores. �� uma coisa mais mais profunda n��o dizer isso. Voc�� busca com di��logo, se voc�� est�� sentindo que a coisa est�� andando. Se est�� tendo perspectiva, ele eu. Se eu j�� estou, n��o est�� conversando com voc��, busque voc��. A conversa n��o simplesmente sair, entendeu. Abandone o barco, ele tente resolver o problema. Tem que conversar. �� uma coisa que falta muita empatia. ��s vezes, falta entendessem. O que est�� no lugar do outro ��s vezes, o seu gestor est�� cheio de planos para voc��. E voc�� n��o sabe. Ele n��o est�� conseguindo passar isso, Porque ele, porque n��o est�� conseguindo dar vaz��o �� demanda que ele tem provoque isso, conversa, insista, a�� realmente conversei uma me foi passado, uma s��rie de promessas, n��o foram cumpridas, comecei de novo, n��o est�� a acontecer, N��o �� realmente buscar outro lugar. Mas eu tentei antes, n��o simplesmente abandonou o barco e do outro lado estar atento a isso, seja coerente. O que mais mata eu vou falar realmente esses anos isso j�� escutei algumas vezes o que n��o, n��o �� legal. S��o promessas n��o cumpridas. Voc�� n��o pode seguir com aquela para aquele projeto, n��o prometa aquilo falar, vamos tentar. Se acontecer tal coisa, voc�� vai, vai ter um retorno. Mas n��o prometo uma coisa que voc�� n��o possa cumprir ou se acontecer. Realmente voc�� achou que acontecer e alguma coisa errada sente com a pessoa, isso explica o que aconteceu. Realmente eu te darei essa promo����o, mas aconteceu isso aqui perdendo clientes, disse. Olha a a����o aqui por isso que n��o estou te dando aumento. Voc�� concorda at�� a pr��pria pessoa. Se ela realmente engajar dela mesma falar N��o, De jeito nenhum. Vamos segurar a onda. Estamos juntos. O problema �� que ��s vezes as coisas n��o parecem que s��o combinadas e simplesmente se passa. V��o ver se a pessoa n��o lembro, se esquece, n��o esquece o que est�� esperando aqui. Ele trabalhou por aqui, est�� motivado por aqui.

Gabriel:   39:04
Brincando na quest��o t��cnica, sobre o ranking, o recrutamento e a sele����o que eu tinha interrompido algumas vezes aqui. Voc��, n��o,

Eduardo:   39:11
n��o eu. Hoje vamos l��. O que �� a diferen��a entre o durante a sele����o e recrutamento ao recrutamento e Sele����o? Quando a gente divulga uma posi����o, voc�� recebe os curr��culos, entrevistas, pessoas, faz processo seletivo. O ranking �� um pouco diferente, �� uma busca ativa do profissional. A gente que voc�� identifica aquele profissional, aquele perfil. Voc�� vai mapear o mercado, de quais pessoas t��m aquele perfil e voc�� vai abordar essas pessoas aqui. Tem um detalhe muito importante que a ��tica ��s vezes tem maus entendidos, muitas pessoas entendem uma consultoria, tirou a pessoa do meu escrit��rio, Cara, realmente n��o �� assim ou da minha empresa. Ah, eu vou falar da nossa casa, que da pergunta A gente �� muito ��tico. Muito mesmo. Se a gente v�� que n��o �� uma oportunidade para a pessoa, a gente d�� um passo para tr��s, conversa com o cliente, l�� n��o, a pessoa n��o, n��o tem esse interesse n��o for��a. A barra entendeu, a gente faz um processo, �� porque a pessoa est�� buscando tamb��m. A gente oferece oportunidades que sejam melhores, realmente, que fa��a sentido, Mas �� esse o trabalho do ranking, voc�� a�� conversar com a pessoa que �� destacada no mercado, que tem aquele conhecimento, mostrar uma oportunidade. Muitas vezes voc�� discute, ��s vezes, o processo nem vai para a frente. Voc�� pode contratar, por exemplo, uma consultoria para fazer o mapeamento do mercado. Eu preciso desse profissional, com essa remunera����o existe. Eu vou te fazer um estudo de mercado e mostrar se existe ou n��o existir. Vamos conversar com as pessoas, v��o ver isso faz sentido. �� isso. Normalmente levante, ele �� mais dif��cil, �� um pouco mais moroso porque n��o �� a pr��pria pessoa que buscou a oportunidade, mas o contr��rio. E o recrutamento �� um problema, sim, de conceitual, que poucas pessoas sabem, n��o �� culpa delas �� uma quest��o t��cnica e da ��rea de Gaga. O recrutamento �� quando voc�� contrata uma empresa para buscar vagas para voc��. Isso muitas vezes profissionais n��o sabendo essa diferen��a, ficam chateados por n��o serem chamados para o processo seletivo. Entendo, Sempre entendo uma coisa que a gente fica. Queria dar oportunidade para todo mundo, mas isso n��o acontece. Mas a empresa diante ela n��o. Ela n��o �� de a convoca����o. Quem contrata a empresa diante �� o profissional, �� o contratante da vaga, e n��o profissional. A empresa diante ela �� contratada para achar o melhor profissional com aquelas caracter��sticas �� diferente da recoloca����o. Voc�� redundante que, mas para refor��ar que o profissional contrata uma empresa para achar a vaga para ele, que �� uma recoloca����o, �� ��bvio que se os bons profissionais quem tem que estar, que irresponsavelmente quer conhecer todo mundo para quando as oportunidades surgirem. A gente est�� em contato com essas pessoas, mas o trabalho demandado pelo contratante no caso, diante a em recrutamento e sele����o, voc��, de fogos, curr��culos vem voc��, mas a sele����o por ele

Gabriel:   42:43
interessante. Porque ��s vezes assim o advogado est�� querendo colocar no mercado interno sozinhas, n��o est�� conseguindo ��s vezes, faz sentido buscar algum tipo de consultoria como a de voc��s. Por exemplo, nunca tinha pensado dessa forma. Para mim foi uma novidade, sim.

Eduardo:   43:00
O profissional quando ele est�� buscando uma vaga de emprego diante um lugar para ele deixar o perfil. Olha, faz um cadastro, busca uma entrevista ali para a empresa tem o perfil dele bem alinhado. Mas se ele que �� uma coisa ativa para ele, inclusive em com, muitas vezes, vem com com o time junto, ele vai buscar uma empresa de recoloca����o, �� diferente que ele tem direito, inclusive contratual, de de exigir. Nenhuma empresa de recoloca����o pode prometer que vai conseguir uma vaga para pessoa. Por mais, no m��nimo, ela tem que dar um suporte para a pessoa trazer relat��rios nas buscas que fez. O mercado entendeu. No caso, o empreendimento tem que fazer isso para o contratante. Olha se nesse perfil, n��o est�� tendo a mudar um pouquinho. Perfil aumenta a remunera����o, diminuir a os pr�� requisitos, enfim sabe essa diferen��a

Gabriel:   44:02
e assim pretende entrar na fase final da nossa conversa pela sua experi��ncia trouxe ainda que alguns problemas dos dois lados, tanto de escrit��rios quanto os advogados, possuem este tipo de processo. Mas para voc��, quais s��o os maiores desafios? Que recomenda����es finais? Voc�� teria para para eles? Voc�� como consultor? Assim qual a sua percep����o de tudo isso? Se voc��, se voc�� tivesse uma oportunidade de dar um recado para todos os escrit��rios do Brasil, que quiser falar,

Eduardo:   44:34
ent��o? Gabriel Uma dica para o contratante A pretens��o �� regar com um todo pessoas na advocacia. O maior ativo que que o escrit��rio, o departamento jur��dico tem, um intelecto, s��o as pessoas est��o. A Sele����o �� s�� uma parte da ��rea. A gente na pergunta tem um projeto que est�� muito interessante h�� algum tempo, que �� o plano anual. Que a gente, como se fosse um contrato de partido, est�� com os clientes, com os parceiros que est��o, tem, Est��o com a vis��o assim, investindo carregar como um todo. E �� muito diferente quando a gente faz s�� o processo seletivo, por mais que a gente acompanha, tente alinhar o m��ximo antes ou quando a gente est�� num lugar como um todo. Seja com consultoria, seja com Gaga interno. A Sele����o �� s�� um peda��o, s�� uma ponta. Adianta voc�� fazer um processo brilhante se n��o tem uma pol��tica grega bem definida, Se n��o tem di��logo, se n��o tem um planejamento de carreira para as pessoas e as pessoas tamb��m n��o t��m isso bem bem alinhados para ela, aqueles objetivos, aquilo que eu j�� falei. Mas tem uma s��rie de quest��es, avalia����es de desempenho. A longo prazo, voc�� tem os desafios das mudan��as, de desafios para o n��vel de uma. Para voc�� ter um engajamento das pessoas para voc�� motivar as pessoas, voc�� fazer uma avalia����o do n��vel de motiva����o de tempos em tempos, Enfim ter uma s��rie de quest��es que podem ser feitas dentro e pagar, em que a sele����o �� s�� um peda��o muito importante. Mas �� uma parte s��, ent��o contratante, realmente leve a s��rio ou recursos humanos. N��o �� realmente votar as pessoas e esquecer ele, porque todos t��m desejos. Todas t��m ambi����es. Mesmo as pessoas que s��o mais tranquilas, que n��o n��o tem ambi����es financeiras muito altos. Elas t��m planejamentos para a vida dela. N��o preste aten����o nisso. N��o esque��a do capital humano para o contrato, para o profissional que eu falo para realmente planejar a carreira. Esta ter desenvolver a capacidade de empatia muitas vezes assim, se voc�� est�� insatisfeito, primeiro busca entender o outro lado. N��o estou dizendo que eu que a empresa, o escrit��rio est�� certo. Independente qualquer fator. Claro que n��o dependendo do caso, mas antes de voc�� ficar insatisfeitos, querem essa a��. Fa��a o trabalho de empatia, tem de entender o que est�� no lugar do outro, do dono de empresa, o dono de um escrit��rio, que s��o muitos desafios, muitas vezes sempre n��o quer dizer. S��o muitos desafios envolvidos e ��s vezes at�� quando voc�� passa a entender melhor voc�� trabalha melhor porque se entende inclusive seu cliente tamb��m, que seu cliente precisa, essa tem um cliente interno e externo. A partir do momento que voc�� consegue entender o que seja, estou que sua organiza����o precisa. Voc�� consegue tamb��m perceber o que o seu cliente externo precisa com maior acur��cia de ent��o? Sai de dentro de si s��, de dos seus desejos, das suas necessidades, em tendas nessas cidades do outro, e planeja sua carreira. Est�� se conhe��a uma das coisas mais importantes de todos no caminho, na carreira, de algu��m se conhecer, entender o que realmente quer, voc�� n��o sabe o que voc�� quer, onde voc�� quer chegar a tudo que aparece? Pode ser bom ou ruim. e todas insatisfa����o que voc�� tem se torna muito grande, ent��o seria cercado quando voc�� usa uma consultoria e quando voc�� faz internamente, normalmente contrata����es paralelas, voc�� precisa, pode precisar mais uma consultoria at�� por isen����o e por especializado naquilo. Tem a quest��o da abordagem. Tem avalia����o psicol��gica, avalia����o de perfil. Essa s��rie de aspectos que a gente �� treinado para prestar aten����o para identificar com no detalhe para trocar ideias tamb��m para identificar o perfil que voc�� precisa para saber se o que voc�� est�� h�� um m��s de ano, ali, de contrata����o �� o que realmente existe no mercado se voc�� est�� pensando correto ou n��o. E assim mais uma dica sempre tentar desenvolver os seus talentos, desde a base, Nas empresas que normalmente n��o contratam consultorias, s��o aquelas que t��m um ciclo de vida de contrata����o, n��o se divide Um ciclo de contrata����o retr��, alimentado, que vai desde a base pelos estagi��rios de v��rios estagi��rios. Vai desenvolvendo as pessoas tornam plenos sendo coordenadores s��cios ou a empresa Gerente diretores, Mas quem treina desde a base consegue n��o �� f��cil e isso tem que ter um porte maior, normalmente tamb��m. Mas isso busque treinar desde o in��cio, que voc�� tem uma regra s��lido, est�� em v��rios v��rias dicas, mas acho que essas s��o bem centrais,

Gabriel:   50:17
muito obrigado. Eduardo Eu acho que o epis��dio muito t��cnico, de um assunto que poucos advogados, a�� tem dom��nio, um assunto que �� mais fora do direito aqui dentro. Embora os advogados hoje precisam saber de tudo isso. E eu acho que a conclus��o que a gente chega aqui �� que, se voc�� que �� reter talentos, se voc�� quer encontrar talentos, o processo seletivo. Recrutamento santinho A recoloca����o vai ser, continua esse bem. S�� que tem um trabalho ali por tr��s, que �� muito importante que seja feito. E a�� em Chatinho v��rios outros epis��dios aqui que a gente j�� trouxe de outros colegas que a falar sobre gest��o, falar sobre cultura, tudo isso e vai ajudar um escrit��rio a reter talentos a formar talentos. E como o Eduardo disse, tamb��m vai ajudar o pr��prio advogado que se fosse est�� buscando um novo uma nova carreira a busc�� lo o local ideal para voc��. Mas fica? A dica tamb��m prova toma cuidado para que voc�� n��o sai de lugar local no local, porque, segundo Eduardo acaba, Voc�� tem menos chances de voc�� voc�� vai, provavelmente vai ganhar um sal��rio mais baixo do que tem. Se mant��m um dado bem interessante, foi doado, compartilhou conosco,

Eduardo:   51:40
acaba n��o conseguindo passar de fase. Chega um momento que o que voc�� est�� linda e �� isso que a gente v��, mas na pr��tica entendeu e busca ajuda. Est��o aqui quem quiser trocar ideia, entender sobre a carreira, sempre um prazer receber as pessoas e muito sucesso que abriu mais uma vez o seu. Um cara que vai longe j�� est�� longe. �� uma honra acompanhar,

Gabriel:   52:05
eu que agrade��o Eduardo sei que s�� agenda bastante corrida. Muito obrigado por ter conseguido o motivo de debate esse papo conosco. Espero que voc��s tenham gostado da conversa tamb��m colegas, advogadas e colegas advogados. Na pr��xima semana, a gente vai retornar com noite. Loya, Como de costume, com mais uma convidada especial, que a ta��a vai falar sobre complex trabalhista Eu acho que voc��s v��o gostar bastante da conversa. Ela se relacionam com v��rios pontos que me trouxe aqui com Eduardo. Ela fala muito de orat��ria naquele epis��dio. Eduardo aqui fala muito de comunica����o! Como essas habilidades podem te ajudar, tanto a encontrar talentos a reter talentos e tamb��m a captar clientes sabem falar um pouquinho, disse, na pr��xima pr��xima dezoito em que se viu na pr��xima quarta. Eu espero que voc��s tenham gostado do epis��dio e at�� logo